25 de abril

|

Lamentei non poder acudir a Portugal, como fixen nos últimos anos, para festexar debidamente o aniversario da Revolução dos Cravos, xa van aló 45 anos. O motivo non foi outro que o de non atopar con quen ir. Aínda que nunca me preocupou absolutamente nada ter que viaxar só a calquera parte -non son persoa tendente nin aos medos nin ao aburrimento- recoñezo que, dun tempo a esta parte, xa vou notando os anos e certa falta de forzas para realizar a plena satisfacción determinadas cousas, unha delas viaxar en solitario. Se non é por algo obrigado, dáme un pouco de preguiza facelo e, se non me encontro moi animado, acabo por non desprazarme. Iso é o que me aconteceu nestes días. Botoume para atrás a inestabilidade do tempo. E se chove? Que fago a soas polo Porto ou por Lisboa, as cidades onde hai festa e manifestacións? Facer unha porrada de quilómetros, se cadra para nada... Pois non vou, dixen. E fiquei deste lado do Miño. “Eu queria estar na festa, pá”, que di o grande Chico Buarque de Hollanda na súa exitosa “Tanto mar”, esa canción dedicada á Revolução de Abril, escrita a xeito de misiva ao seu amigo português José Nuno Martins, un dos integrantes da equipa do Zip-Zip, o exitoso programa da televisión portuguesa que promocionaba a música do país, e que di así: “Sei que estás em festa, pá / Fico contente / E enquanto estou ausente / Guarda um cravo para mim // Eu queria estar na festa, pá / Com a tua gente / E colher pessoalmente / Uma flor no teu jardim  // Sei que há léguas a nos separar / Tanto mar, tanto mar / Sei, também, que é preciso, pá / Navegar, navegar // Lá faz primavera, pá / Cá estou doente / Manda urgentemente / Algum cheirinho de alecrim”. En 1978, cando a Revolução xa non era o que fora, e moito menos o que pretendera ser, Chico Buarque lanzou de novo a canción con esta nova letra:
“Foi bonita a festa, pá / Fiquei contente / E inda guardo, renitente / Um velho cravo para mim // Já murcharam tua festa, pá / Mas certamente / Esqueceram uma semente em algum canto do jardim // Sei que há léguas a nós separar / Tanto mar, tanto mar / Sei também quanto é preciso, pá / Navegar, navegar // Canta a primavera, pá / Cá estou carente / Manda novamente algum cheirinho de alecrim / Canta a primavera, pá / Cá estou carente / Manda novamente algum cheirinho de alecrim”.

25 de abril